• Utilizadora em Destaque: Livreira Anarquista
Blogue: A Livreira Anarquista
Primeira Publicação: Janeiro de 2011
No ano passado tivemos o prazer de entrevistar a Livreira Anarquista. Muita coisa mudou desde então, nomeadamente um grande acontecimento: a Livreira lançou um livro baseado no seu blogue de sucesso. Hoje é o Dia Internacional do Livro e decidimos que seria uma boa homenagem republicarmos esta bela entrevista com a nossa senhora dos livros preferida.
Quem é a Livreira Anarquista?
Nasci algures em Portugal e trabalho numa livraria algures há 9 anos, número que é também um dos meus favoritos. Para além de daltónica, disléxica e hipocondríaca, sou obcecada por livros, por viagens, pelo séc. XX (especialmente ali os meados), por fotografia, por bonecas, por Paris, por Hitchcock e pelo namorado. E há muito mais…mas fica para vender a Hollywood.
[[MORE]]
Porque escolheste o Tumblr para alojar o teu blogue?
Porque é simples, bonito e apelativo. Gosto de coisas funcionais e que cumpram o seu objetivo, sem precisar de um curso de 3 anos sobre o seu funcionamento. Contudo também dou importância à parte estética da coisa e esta plataforma proporcionou-me esse tipo de conjugação de uma forma muito eficiente.
Como surgiu a ideia de criar a Livreira Anarquista e de teres transformado esta personagem numa figura já icónica no mundo Tumblr português?
Desde que comecei a trabalhar na livraria que a vontade de compilar este tipo de episódios surgiu. Mas apenas no final de 2010 começou a definir-se um “conceito” na minha cabeça - e que era aliar o meu universo de gostos pessoais ao registo dos episódios compondo assim uma representação mais íntima e particular no seu todo.
Quem seria o leitor-alvo do teu blogue?
Por muito estranho que isto possa parecer o meu leitor-alvo fui justamente eu. O meu objetivo passava simplesmente por organizar e arquivar os episódios para que mais tarde eu os pudesse recordar e/ou mostrar a amigos. Tendo em conta que aponto as “ocorrências” no primeiro pedaço de papel que apanho (pois a conjuntura nem sempre permite anotar diretamente no meu caderninho) termino o dia com os bolsos cheios de papelinhos soltos e que, em casa, acabo por atirar para dentro de uma caixinha. 
Antes, e quando acordava para aí virada (que era raramente!), passava esses papéis a “limpo” para um caderno. Mas como não tenho muita paciência para esse tipo de coisa achei (por uma questão de ordenação psicótica) que a melhor forma de dispor as ocorrências seria, precisamente, em formato blogue. Desse modo poderia não só anotá-las como também ilustrá-las mais facilmente. E foi assim que aconteceu. Não houve qualquer intuito de atrair propositadamente este ou aquele tipo de leitor. Quando comecei a preencher o blogue nem sequer tinha em mente que ele iria ser lido por alguém fora do meu círculo (apesar de me dirigir a um público, fi-lo de modo meramente irónico e não propriamente direcional) foi apenas a melhor maneira que encontrei de me estruturar e de tornar esse facto numa expressão muito particular ao meu universo.
Quais são os blogues Tumblr sem os quais não podes viver?
Na verdade, devo ser das poucas pessoas em Portugal que tem um blogue que pouco ou nada liga a blogues - ou mesmo ao mundo virtual no geral. Não é por nenhum motivo em especial, já que considero a Internet como algo de fantástico. Apenas acontece navegar mais pelos livros e pela minha imaginação e projetos pessoais. No entanto posso dizer que segui o vosso conselho acerca do Book Loving Girls e achei muito interessante.

      Utilizadora em Destaque: Livreira Anarquista

      Blogue: A Livreira Anarquista

      Primeira Publicação: Janeiro de 2011

      No ano passado tivemos o prazer de entrevistar a Livreira Anarquista. Muita coisa mudou desde então, nomeadamente um grande acontecimento: a Livreira lançou um livro baseado no seu blogue de sucesso. Hoje é o Dia Internacional do Livro e decidimos que seria uma boa homenagem republicarmos esta bela entrevista com a nossa senhora dos livros preferida.

      Quem é a Livreira Anarquista?

      Nasci algures em Portugal e trabalho numa livraria algures há 9 anos, número que é também um dos meus favoritos. Para além de daltónica, disléxica e hipocondríaca, sou obcecada por livros, por viagens, pelo séc. XX (especialmente ali os meados), por fotografia, por bonecas, por Paris, por Hitchcock e pelo namorado. E há muito mais…mas fica para vender a Hollywood.

      Porque escolheste o Tumblr para alojar o teu blogue?

      Porque é simples, bonito e apelativo. Gosto de coisas funcionais e que cumpram o seu objetivo, sem precisar de um curso de 3 anos sobre o seu funcionamento. Contudo também dou importância à parte estética da coisa e esta plataforma proporcionou-me esse tipo de conjugação de uma forma muito eficiente.

      Como surgiu a ideia de criar a Livreira Anarquista e de teres transformado esta personagem numa figura já icónica no mundo Tumblr português?

      Desde que comecei a trabalhar na livraria que a vontade de compilar este tipo de episódios surgiu. Mas apenas no final de 2010 começou a definir-se um “conceito” na minha cabeça - e que era aliar o meu universo de gostos pessoais ao registo dos episódios compondo assim uma representação mais íntima e particular no seu todo.

      Quem seria o leitor-alvo do teu blogue?

      Por muito estranho que isto possa parecer o meu leitor-alvo fui justamente eu. O meu objetivo passava simplesmente por organizar e arquivar os episódios para que mais tarde eu os pudesse recordar e/ou mostrar a amigos. Tendo em conta que aponto as “ocorrências” no primeiro pedaço de papel que apanho (pois a conjuntura nem sempre permite anotar diretamente no meu caderninho) termino o dia com os bolsos cheios de papelinhos soltos e que, em casa, acabo por atirar para dentro de uma caixinha. 

      Antes, e quando acordava para aí virada (que era raramente!), passava esses papéis a “limpo” para um caderno. Mas como não tenho muita paciência para esse tipo de coisa achei (por uma questão de ordenação psicótica) que a melhor forma de dispor as ocorrências seria, precisamente, em formato blogue. Desse modo poderia não só anotá-las como também ilustrá-las mais facilmente. E foi assim que aconteceu. Não houve qualquer intuito de atrair propositadamente este ou aquele tipo de leitor. Quando comecei a preencher o blogue nem sequer tinha em mente que ele iria ser lido por alguém fora do meu círculo (apesar de me dirigir a um público, fi-lo de modo meramente irónico e não propriamente direcional) foi apenas a melhor maneira que encontrei de me estruturar e de tornar esse facto numa expressão muito particular ao meu universo.

      Quais são os blogues Tumblr sem os quais não podes viver?

      Na verdade, devo ser das poucas pessoas em Portugal que tem um blogue que pouco ou nada liga a blogues - ou mesmo ao mundo virtual no geral. Não é por nenhum motivo em especial, já que considero a Internet como algo de fantástico. Apenas acontece navegar mais pelos livros e pela minha imaginação e projetos pessoais. No entanto posso dizer que segui o vosso conselho acerca do Book Loving Girls e achei muito interessante.